quarta-feira, 13 de outubro de 2010

e depois há os outros

Os que não precisam de companhia, mas estão miseralmente infelizes e sabem-no. Esperam que lhes saia o totoloto dos relacionamentos e acreditam que um dia tudo vai mudar. Quando casarem ou quando viverem juntos ou quando tiverem filhos. Quando o emprego melhorar, a doença passar ou quando se vestirem de amarelo.
Não conheço de perto nenhum caso de violência domestica, mas conheço muitos de violencia psicologica. Que destroem auto-estimas. Em que uma das partes convence a outra que não é merecedora. Merece menos, porque rói as peles da unhas, porque fala baixo, porque fala alto, porque é gorda, porque é magra, porque não dá um murro na mesa ou porque diz um foda-se vindo da alma. E essas continuam a esperar pela lotaria. Acham que um dia vão ser merecedoras ou que um dia tudo vai melhorar.

2 comentários:

A. disse...

Acabei de chegar e só a frase "Não conheço de perto nenhum caso de violência domestica, mas conheço muitos de violencia psicologica. Que destroem auto-estimas. Em que uma das partes convence a outra que não é merecedora." já me prendeu... Conheço casos assim... quem me dera poder abrir a cabeça da pessoa e pôr-lhe "juízo".

MRPereira disse...

Esses são os casos mais complicados de resolver!

Já me apaixonei por uma pessoa assim... Acabou por não dar em nada! :(

Kiss kiss