quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Ontem

Por causa da neve, o meu chefe decidiu que deviamos trabalhar na casa dele.
Fui bastante contrariada. É muito mais fácil ir da minha casa ao escritório, cujo caminho é sempre plano, que ir até à casa dele, atravesando colinas, subidas e descidas.
Mas o gajo insistiu, porque apanham um táxi e tal, e lá fui.
Fui com a mete-nojo-cor-de-rosinha. Somos vizinhas, para meu azar. A colega fofinha (para contrabalançar também tenho uma colega mesmo mesmo muito fofinha), não foi porque vive, consideravelmente, longe.
Eu e a mete-nojo-cor-de-rosinha, combinámos e marcámos o táxi para as 8h.
Às 7h30, já me estava a ligar a perguntar se eu estaria pronta. Só estava já levantada, porque por um mero acaso, tinha-me levantado 2 minutos antes. E 2 minutos antes do despertador tocar. Se combinámos às 8h, porque raio havia eu de estar pronta meia hora antes? Depois lembrei-me que a mete-nojo-cor-de-rosinha deve levantar-se três horas antes, para ter tempo para decidir se se veste de rosa claro, escuro ou velho e pôr os, habituais, três quilos de base, também cor-de-rosinha. Hoje sobrou-lhe meia hora, porque já só tinha a camisola rosa-bebé lavada.
Depois começou a ligar de dois em dois minutos, para fazer perguntas estúpidas, como quanto tempo ainda ia eu demorar e se estaria à porta de casa às 8h. Ó minha parva, se tivesses ligado menos vezes, tinha-me despachado muito, mas muito mais depressa.
A miúda era toda nervos, como medo de chegar atrasada a casa do chefe. Chegámos meia hora antes do previsto e quase que apanhávamos o homem de pijama.
Tou desconfiada que, se pudesse, tinha lá dormido, só para garantir que estava lá a horas...






Sem comentários: