quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Eu queria


Eu queria conseguir escrever tudo o que se passou durante a minha estadia em Portugal.
Como andei a correr de um lado para o outro, ao ponto de nem conseguir dormir, tal a adrenalina com que andava.
Eu queria conseguir descrever as emoções que senti.
Queria conseguir explicar o que e voltar a casa, quando essa já não e a nossa casa.
Queria poder explicar porque chorei quando visitei o antigo escritório.
Como horas com certas pessoas me souberam a escassos minutos.
Como os abraços souberam ao mundo e ainda assim souberam a pouco.
Queria ser capaz de verbalizar tudo e todos.
Queria concentrar-me e arrumar as minhas próprias ideias.
Mas não consigo. Não há palavras para descrever o que senti. A perda do primeiro voo tornou tudo muito mais intenso, o tempo muito mais escasso e uma Clara muito mais emocional.
De tal forma emocional, que não consigo descrever. Nem lembrar-me de outro momento em que me tenha sentido assim.
Já tinha feito erasmus e, também, nessa altura, fui passar o natal a casa. Não sei se por ter data final marcada, se por andar só em festas e não a trabalhar, a verdade e que foi muito mais tranquilo e muito menos giro.
Queria contar as mil e uma coisas. O vizinho no avião, que escrevia da direita para esquerda, em inglês. Que apontava o numero de voo e pormenores relativos ao mesmo.
Queria contar-vos o primeiro dia, em que tive com família e amigos e me deitei as 4h da manha. A passagem de ano, que mesmo calminha, foi das melhores dos últimos anos.
A tarde com a sobrinha emprestada. A tarde, na praia, com gaivotas e peixes mortos.
O ultimo dia, que se dividiu num almoço, com uns, café com outros, lanche com a minha melhor amiga, mais um café, mais um jantar.
Aconteceu tudo tão depressa que tive dificuldade em registar. Passei duma emoção a outra, com tal rapidez, que quase foi difícil sentir.
As emoções ficaram a flor da pele, mas nem por isso consigo agarra-las.
Agora vem outras aventuras. Ontem já tivemos um taxista irlandês maluco, que chegou ao ponto de me perguntar se as portuguesas gostavam de homens mais velhos e se eu não queria ir ao baile com ele, no próximo domingo.
Portanto, cá estamos de volta e outras aventuras se avizinham.

6 comentários:

Julie disse...

Há coisas que não conseguimos descrever, apenas sentir.
:)

sandra disse...

Eu queria... ter estado contigo e não estive :(
Talvez te visite, 1 destes dias até lá continuarei a ser fiel leitora das tuas desventuras :)

um grande 2011 para ti
bjos mts

Anónimo disse...

Por vezes é melhor não descrever , e sim viver , viver intensamente .

Bjs

Maria

Pec disse...

boas NOVAS aventuras, então! e bom 2011, já agora. :P

Anónimo disse...

Deixaste-me a sonhar com os meus "regressos a casa" que tanto gosto me dão e sentimentos tão díspares alimentam...

A saudade é uma coisa linda e de facto, não se traduz.

Um beijinho, bom ano e que tudo continue a correr bem, como até aqui!

aa

Anónimo disse...

Eu ca gostei muito do dancing a 3! Adoro q tenhas guardado agenda especialmente p nos!
Loves
Bbbbb