sexta-feira, 11 de março de 2011

Egoista?


Eu preciso de ir a Portugal, como de pão para a boca. Mas mais do que ir a Portugal, o que eu preciso mesmo e' das pessoas, das minhas "pessoas".
Das duas vezes que fui a Portugal, desde cá estou, tentei estar com o máximo de pessoas possíveis. Foi um non-stop de cafezinhos, jantares e lanches.
Regresso daqui a 15 dias e os meus planos para esse fim de semana, não são diferentes dos anteriores e comecei já por falar num jantar daqueles que permite rever uma data de gente ao mesmo tempo. Antecipadamente, dei como garantidos algumas das pessoas mais importantes.
Uma dessas amizades "garantidas" avisou-me já que não estaria presente. E eu fiquei chateada, confesso que fiquei. Estando longe, esperava poder ver nestas minhas visitas aqueles que via todos os dias, considerando que essa seria uma prioridade.
Mas fiquei a pensar no assunto. Estarei eu a ser egoísta? Serão as amizades, como as relações amorosas, nas quais não devemos dar as coisas como garantidas?
Terei eu o direito de esperar que as pessoas interrompam as suas vidinhas, quando eu própria regressarei a minha?
O meu primeiro pensamento foi "qual festa de anos?", "qual convite de casamento?", "estará essa pessoa tão inacessível quanto eu?".
Depois lembrei-me que, as vezes sim, as vezes, aqueles que vivem ali mesmo ao nosso lado estão inacessíveis, talvez mais ate que aqueles que, como eu, vivem longe. Quantos são, aqueles que só vejo uma vez por ano, que ate vivem na mesma rua que eu? Mais do que eu gostaria.
Essa minha amiga ainda me disse que tentaria outro momento desse meu curto fim-de-semana, para estarmos juntas. E eu, tive vontade de lhe responder "back to line! que eu tenho muitas pessoas para ver e tu passaste para o fim da lista".
Fiquei triste, confesso que fiquei. E agora, tenho esta luta interior: deveria eu ficar chateada? Ou estarei só a fazer uma birra de menina mimada? Eis a questão?

3 comentários:

Anónimo disse...

Não deves ficar chateada, simples :)

Primeiro porque isso é coisa para te consumir e depois porque(e sei bem o que digo, senti-o na pele), o facto de seres a única a "mudar" implica que vás notar diferenças...

A vida continua, a rotina dos nossos amigos mantém-se, continuam a fazer as mesmas coisas, às mesmas horas e com as pessoas que estão próximas...

O regresso, o teu regresso, é sempre desejado e bem vindo. Mas tem de ser enquadrado num dia a dia onde nós, aqueles que "saimos", já não estamos.
Daí, interessa aproveitar muito e bem o tempo do "regresso às origens", com quem pode estar presente.

Aqueles que por este ou por aquele motivo não podem, certamente vão ser os primeiros a marcar "um lanchinho" na próxima oportunidade.

Bjs!

Anónimo disse...

Estás a ser mimada! Mas eu gosto de ti na mesma... Cada x mais .... E cada vez nos vemos menos. Bbbb

clara disse...

Ando um bocadinho mais sensivel a estas coisas.
Mas a cupa também é vossa, daqueles que tanto me mimam ;)