sexta-feira, 6 de maio de 2011

Solução

Tenho procurado várias alternativas àquilo que realmente me apoquenta e me deixa infeliz nesta minha aventura.
Encarar a raíz deste problema, implica assertividade. Coisa que não tenho, nem nunca tive. Sou incapaz de encarar as pessoas com a verdade, quando, de algum modo, sinto que essa verdade não é bonita ou, pelo menos, não é fácil.
Pouco antes de me mudar, fiz exactamente o mesmo. Prejudiquei-me porque me parecia mais fácil que reinvidicar os meus direitos.
Nos últimos dias, nestas minhas tentativas de melhorar tudo o que rodeia o principal problema, senti que os episodios da minha vida se repetiam. Senti como se vivesse numa dimensão espelhada daquilo que, até agora, já me aconteceu. Revivi comportamentos e atitudes, noutras caras, noutra lingua, num lugar onde não conheço o caminho de volta. Num lugar onde, facilmente, me vejo em sentido contrário, prestes a ter um acidente, daqueles à séria, em que vimos toda a nossa vida num flash e, eu, tudo o que vi, foi a ponte vasco da gama, que nunca me falhou.
Não acredito em destinos, nem propositos, mas acredito em tornar tudo numa oportunidade, nem que seja de aprendizagem. E o proveito que posso tirar desta minha situação é esse mesmo, o de aprender a defender-me. Aprender a ser assertiva. Mesmo que seja noutra lingua.



2 comentários:

R. disse...

Encontra o teu espaço... o resto vem com a aprendizagem. Mas, não tenhas pressa... a vida não são dois dias... são bem mais do que isso.

eMe disse...

Ser assertivo não é fácil. Mas aprende-se. É um processo longo e por vezes duro mas vale a pena. Torna-nos livres. O primeiro passo é gostarmos de nós, aceitarmo-nos, respeitarmo-nos. E ter sempre em mente que o mais importante é a nossa consciência. O que pensamos dos outros deve ser mais importante do que o que os outros pensam de nós.

Parabéns pelo blogue.
Um abraço.