terça-feira, 5 de julho de 2011

Missao Impossivel


Uma missão impossível, e' dormir as horas suficientes, para acordar as 5h da manha, por causa dum raio de um voo que nos pareceu a boa hora e excelente ideia. Sobretudo se a coisa se passar de um Domingo para Segunda, ultimo dia de festas populares, na nossa cidade. Mesmo que uma pessoa ate consiga adormecer as 10h, as 11h ou mais tarde, há sempre alguém que se esquece do nosso voo e manda uma mensagem "não estas aqui?". Depois da meia noite, há o tradicional fogo de artifício, que não e' nada silencioso, depois desse fogo de artifício, há pessoal animado e muito barulhento a passar, mesmo por baixo da nossa janela e, pela madrugada adentro, há bêbedos, a tocar as campainhas.
E assim, se vai fazer uma formação, numa língua que não e' nossa, para Madrid.
Outra missão impossível, e' conseguir ir toda pimpona para uma formação como essa. A saia, a camisa, as collants (eu sei que esta calor, mas lembrem-se que eu sou uma branquela, a viver na Irlanda, tenho que recorrer a truques) não vão chegar apresentáveis a hora da dita formação.
Ainda impossível, e' a missão de usar sapatinhos paneleirinhos, quando se vai de viagem, se vai fazer a dita formação de pé, se vai andar muito dentro do próprio escritório, porque só para se fumar, se tem que andar quilómetros.
Se ao chegarmos ao aeroporto, sem ter feito o raio do check-in online, por se ter revelado também impossível, já que o raio do site não funciona e, apanharmos uma fila de 500 pessoas para o check-in dum voo relativamentente pequeno, os sapatos tornam-se ainda mais impossíveis de aguentar.
Afinal as 500 pessoas não iam voar todas. Eram uns putos que vinham fazer um desses cursos de Inglês de algumas semanas, para a Irlanda. E nada como trazer o pai, a mãe, os irmãos, o gato e o periquito para a fila do check-in. Infelizmente, a parte da família que não voa, nem por isso deixa a fila andar mais depressa. Porque choram, porque acham que tem que dar já instruções ao rapazinho que lhes põe a mala no tapete rolante.
E tentar pedir um lugar bem longe desses putos, todos num excitex? "Missão impossível, eles estão em todo o lado" respondeu-me o comissário de terra.
Arranjar uns ténis, sabrinas, whatever, numero 34, para este pezinho de princesa (já que não se arranja calcado, inventam-se auto-elogios fofinhos), no aeroporto de Madrid, e' o que já sabem... impossível. Comprei os sapatos mais horríveis da minha vida. Um misto de ténis, sabrina, com elásticos no peito do pé, com muitos brilhantes e prateados. 40 euros (porra, porra, porra!).
Missao impossivel e' dormir num aviao cheio de putos dos 10 aos 18 anos, a viajar sem familia, para um pais estrangeiro.
Missão nada impossível e' depois de acordar as 5h da manha, viajar para Madrid, fazer formação numa língua que não e' nossa, com farpelinha xpto, voltar para Irlanda e chegar a meia-noite, toda amarrotada, com uns tenis-sabrinas-o-raio-que-os-parta, sem parecer uma sem abrigo que não come, não dorme, não se lava há quinhentos mil anos. O que me valeu foram os pés, esses brilhavam.



3 comentários:

Maria disse...

Bem, que dia cheio que tu tiveste Clara. E ainda ficaste com uns sapatinhos (muita giros) para recordação .

bjs

sandra disse...

aposto que apesar da turbulência, tu também brilhaste ***

clara disse...

É fofinho da tua parte, Sandra, mas a única coisa que brilhava em mim, eram mesmo os sapatos.