segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Um ano de irlanda

- acordar todos os dias com esperança de melhor tempo e constatar que só piora;
- perceber que andar um kilometro, implica muito mais esforço fisico que em Portugal, por causa do vento;
- viajar muito e perceber que essa coisa do glamour das viagens de trabalho, só está na cabeça de quem nunca o fez. Trabalhar num quarto de hotel, comer sozinha, não ter tempo para conhecer as cidades, descalçar, tirar cinto, brincos e ganchinho no aeroporto, chegar amarrotada e com ramelas, não tem glamour absolutamente nenhum;
- desconhecer nome da parte do boi quando se vai comprar carne, porque nao ensinam nas aulas, nem especificam nos filmes ou nas canções pop (será que a lady gaga explicou?);
- Achar que o frio não custa assim tanto, que o aquecimento nas casas é bué da fixe, para receber depois uma conta de 500 euros de gás;
- começar por achar que a neve é muita fofinha, branquinha e gira e perceber que não é assim tão fofinha quando os cabroes dos putos vizinhos a atiram à cabeça, que escorrega e doi e deixa nodoas na negras na parte anatómica que se leva ao chão;
- perceber que aos 30 é mais dificil fazer amigos e emagrecer;
- chorar muito e perceber que até podemos ser fortes, mas porque chega um dia em que não temos outra hipótese.

faço um ano disto daqui a duas semanas. Hoje quando me pergutaram qual era o balanço, o que me apeteceu responder, e a primeira coisa que me ocorreu é que foi o pior ano da minha vida. Mas aqui estou, inteira e pronta para mais um.
Venha ele.

3 comentários:

Anónimo disse...

Be strong... Because you can and most of all, know how!

Kisses,
AA

Anónimo disse...

Oh rapariga!!
Pensa la bem!Tens emprego que te paga as contas, casa e viagens. Imagina quantos em Portugal e nao so gostariam de estar na tua pele! Aqui ate o vento eh teu amigo!Ajuda-te a emagrecer!hehehe

mimi disse...

Força, pá. Isto por aqui está calor, mas só nos enterramos!
Bjs
Mimi