segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Bem espremidinho

O ano de 2011 foi o ano em que mudei de residencia e fiz 365 dias como residente na Irlanda.
Nao foi um ano facil. Quando todos me diziam que fazia parte e que era uma experiencia, que traria aprendizagem que nao teria se tivesse em Portugal, apetecia-me mandar tudo a merdinha.
E’ preciso sair do pais para aprender que ha filhos da puta neste mundo, que a vida pode ser uma filha da puta, que estar longe dos amigos e da familia e’ uma filha putice? A unica aprendizagem que eu conseguia ver era a minha capacidade de dizer puta por segundo.
Hoje, ja em 2012, a primeira coisa que me a cabeca nisso das aprendizagens, e’ que, no meio de toda esta filha da mae, percebi que ha muito pouco que eu, ou qualquer outra pessoa, nao possa fazer. O que tem que ser, tem que ser. E se nos virmos forcados a arregacar mangas, muitas vezes, surpreendemo-nos a nos proprios, obtendo ate bons resultados, imagine-se.
Depois de achar que nunca iria conduzir a esquerda, o contrario passou a ser o dificil, depois de achar que nunca me adaptaria ao frio, comprei a roupa certa, depois de achar que nao conseguiria levantar-me da cama, ate tive um dia bom. Numa era em que tudo se encontra no google e no youtube, fica-me a certeza, 2012 sera um ano de feitos. E comeco ja pela dieta!

4 comentários:

Bloga-mos disse...

Dieta? Não espero tantos sacrifícios da tua parte para me receberes condignamente, Clarinha.

Miguel disse...

Eh Ganda mulher!!Nao trouxeste o teu amado pa Irlanda tambem?Sempre podia ser que aprendesse a ser um pouco mais bem educado!!

Bloga-mos disse...

Não há educação que resista a esta besta, foda-se! Frequentar Eton para isto...

clara disse...

Tou a pensar, , voltar à moderação de comentários. E mais não digo!