quarta-feira, 6 de junho de 2012

32 como 16

Continuo a pensar de mais nas coisas, a rever e rever situacoes, passadas, possíveis, imaginarias.
Continuo a ter grandes expectativas. Por vezes, vão-se abaixo com um pormenor estúpido, outras vezes, mesmo com todos os sinais, continuo a alimentá-las. Continuo a dar grandes trambolhões, nem vos conto. Literais e metafóricos.
Continuo a ter o quarto desarrumado, com a diferença que agora não é só um quarto, é uma casa, com sala, cozinha, dois quartos, casas de banho e já não tenho a minha mãe a dizer-me “nao sais de casa enquanto não tiveres o quarto arrumado”. Mas acho que vontade não lhe falta.
Continuo com uma espécie de síndrome de Estocolmo. Gosto deles porcos, feios e maus. No sentido metafórico, que lá limpinhos são eles.
Continuo a falar de mais, com a diferença que agora me posso desculpar com o álcool.

Não vejo a diferença de mais umas velas no bolo. Aos 16 anos, os “adultos” diziam que um dia perceber, um dia ia fazer, um dia ia acontecer. Dizem que a idade verdadeira e aquela que sente e porra que eu nem me sinto. O mundo girou, 365 dias [passaram várias vezes, e continua a ser só um dia. Um dia bom e mais um ano nos formulários a preencher. Ainda não vejo a diferença e talvez ainda tenha que crescer. Os meus 32 são como 16. Tal e qual.

3 comentários:

Anónimo disse...

Ainda te falta encontrar o homem que te aprenda!!! hehe
Estas sem dominio.

bee disse...

parabéns (atrasados).
quanto ao resto, costumo dizer quase o mesmo. há coisas em que me sinto igual, mesmo com 36 anos e uma família. mas isso não é necessariamente mau, pois não?
:P

Dulce disse...

Perceberás que os 46 são como os 16! E que feliz estou de encontrar outro alguém com uma casa desarrumada!!