quinta-feira, 19 de julho de 2012

É nisto que eu acredito

Descobri mais sobre mim própria num ano e meio a viver fora, que em 30 anos e meio, na minha zona de conforto.
Descobri o quão triste consigo estar, mas como consigo sobreviver.
Que tenho mais tomates do que achava para dizer a alguém num nível superior ao meu que, ou resolve o meu problema, ou terá um problema.
Que me adapto ao frio, à chuva, ao vento e até à neve (btw, dá para parar com essa merda dessa moda de pôr fotos, no facebook, dos painéis do carro que marcam temperaturas absolutamente proibitivas, que eu ainda hoje vesti o penado para levar a cadela à rua?).
Que sou muito mais forte do que pensava.
É por isso que me posso dar ao luxo de estar triste um ou outro dia. Esse é um desses dias.

E os meus planos para o fim de semana sao:
- maratona da serie o Sexo e a Cidade;
- balde de Nutella (segunda-feira logo volto à dieta);
- esvaziar por completo (por completo, Clara Maria!) o cesto da roupa suja;
- visitar os saldos do Ikea;
- e brincar com a Balti, que no meio disto tudo é quem me atura e bem merece.

Só me custa que isto seja tudo por causa dum mísero gajo, mas enfim, diz que é humano e que depois passa.

1 comentário:

Anónimo disse...

Oh Maria!acredito em tudo o que disseste menos o teres mais "tomates" do que pensavas!! a nao ser que tenhas por ai alguma horta escondida!