quarta-feira, 18 de julho de 2012

Sem pontinha por onde se lhe pegue

É mais fácil  acreditar que se pode pegar na ponta da não indiferença e desemaranhar todo um novelo, desenrolar, desenrolar, até se chegar a essa outra ponta onde esta tudo o que sempre se quis, mereceu e essas tretas todas, que perceber que há pessoas e/ou situacoes que mais não são que uma pequena linha que nem para coser um botão serve.

Sem comentários: