sábado, 22 de setembro de 2012

Justifica?


Quando se vive fora, há uma tendência para dar mais importancia a determinadas coisas. Vivi 30 anos numa cidade pequena. Grande parte dos meus amigos conheço há muitos muitos anos, uns desde que nasci, outros desde a primária, os mais recentes desde o ciclo. Isto significa que a minha vida foi feita de ligações muito fortes, onde todos sabemos a vida uns dos outros e o que esperar uns dos outros. Depois de 30 anos a viver desta forma, uma das coisas que se sente falta, quando se inicia uma vida no estrangeiro, é isso mesmo, ligações fortes. A sede de fazer amigos é maior e a necessidade de partilha também. Entre outros emigrantes, isto é senso comum e fácil de lidar. Já com os nativos não é bem assim. Sobretudo os que nunca sairam da alçada dos paizinhos.
No meu primeiro ano, trabalhei numa equipa muito dificil. Um chefe intragável e uma mete-nojo-cor-de-rosinha que tornavam tudo mais dificil e acabaram por desestruturar o resto da equipa. Aquilo era o salve-se quem puder. Pela primeira vez na minha vida, senti que era-me dificil estar com pessoas. Fora do trabalho a coisa não era muito mais fácil. Não é fácil começar da estaca zero e fazer novos amigos. A lingua não facilita a comunicação e, apesar de noutras circunstancias nao me aperceber, são precisas forças para fazer conversa de circunstancia, small talk, donde és,o que fazes, que idade tens.... E a partir daí, ter criatividade para manter o  assunto. Durante muito tempo, este foi o meu mantra, estar com pessoas era-me dificil.
A certa altura comecei a conviver mais com um colega de trabalho, com quem a comunicação fluia extremamente bem. Mesmo sendo em ingles. Com ele podia falar sobre tudo, ser eu própria, contar piadas parvas, dançar com dois pés esquerdo. Tudo era fácil. Sentia-me confortável e escusado será dizer que, dadas as circunstâncias, esta pessoa tornou-se muito especial para mim. 
É a primeira vez que vivo fora e tenho muitas lições para aprender. Esta é uma delas, nunca permitir a nós próprios sentir atracção pela pessoa com quem nos sentimos confortàveis. Se a coisa não correr (no meu caso, as probablidades são grandes) perde-se o flirt e perde-se o amigo. E ele não vai perceber esta necessidade tão grande de manter as amizades. Ele tem as suas ao virar da esquina.
Será que se eu lhe explicar isto tudo, ele vai entender as estupidas mensagens que lhe enviei às 3h da manhã, depois duns copos?


3 comentários:

Anónimo disse...

Surely the alcohol had some kind of estrange component!! I just hope it was not methanol!! Didn't you heard what happen in Czech Rep? People dying because they drank Vodka containing this poison!

Anónimo disse...

Surely the alcohol had some kind of estrange component!! I just hope it was not methanol!! Didn't you heard what happen in Czech Rep? People dying because they drank Vodka containing this poison!

redonda disse...

Eu tentaria explicar-lhe...