domingo, 2 de dezembro de 2012

A próxima vez que te vir

A próxima vez que te vir vou te dar um abraço. Vou te dar uns estrategos desses que a Balti quando o adivinha até foge. Vou encostar a minha cabeça ao teu ombro e esperar que os teus braços aninhem os meus. Gosto de abraços. Muito. Daqueles que fazem parar o mundo e nos fazem pensar que o mundo podia desabar ali e agora, que naqueles braços, nada nos acontece.
Também gosto de ti e quase me apetece acrescentar um "meu palerma", porque isto não pode ser assim. Gosto de ti. Gosto que tenhas entrado na minha vida e não te quero deixar sair.
A próxima vez que te vir, vou-te dar um abraço. Valente. Nada como o dos irlandeses que é só ali, ombro com ombro, palmadinha nas costas, toma lá, que já levas daqui.
Um abraço daqueles. Que não deixam palavras por dizer, nem post por escrever. Que nos deixam calados, olhos nos olhos, a imaginar o que vem a seguir.
Talvez me aproveite de ti. Talvez toque ao de leve na tua face. Talvez deixe os teus lábios sentirem os meus. Só ao de leve. Cantinho com cantinho. Para saberes o que quero de ti.
A próxima vez que te vir, vou te dar um abraço e descobrir logo e ali, se vale a pena, Se és uma bomba como dizes ou se beijas como no cinema (não era suposto esta coisa rimar e ficar ainda mais lamechas).
A próxima vez que te vir, vou-te dar um abraço, vou encostar a minha cabeça ao teu ombro, encostar a minha cara à tua, sentir o cantinho dos teus lábios nos meus. E vou ficar-me por aí, dar meia volta e fugir. Só para saberes que te quero a ti.

1 comentário:

mimi disse...

Promessas.... :)