sábado, 26 de janeiro de 2013

Aqui há uns anos, andei com um rapaz que acabei por despachar por achar que lhe faltavam valores. Passado uns tempos, por motivos que não importam, conheci a sua família. Um pai alcoólico e uma mãe muito pouco equilibrada. Percebi que longe de ser perfeita, aquela pessoa era muito mais sã do que eu alguma vez imaginara.
Ontem descobri que, alguém que não conheço, mas que durante um determinando tempo vi como um entrave a um dos meus caprichos, está muito doente.
Passamos a vida a escrutinar a vida dos outros, a procurar fraquezas, a procurar esse pedestal do julgamento crítico, que nos faz sentir melhores, maiores. Acenamos os erros dos outros, catalogamos, invejamos ou odiamos. Na verdade, não sabemos nada de nada.

2 comentários:

a_secretária disse...

A propósito: http://paginas.fe.up.pt/~ei08170/blog/?p=430

Maria disse...

Verdade verdadinha.