sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

E quando fores grande?

Isto hoje em dia já não é o que era. Na minha geração, quando éramos miúdas, todas sabíamos muito bem o que queríamos ser quando fossemos grandes, secretárias ou cabeleireiras. Pronto, eu, porque gostava de ser diferente e isso de mexer em cabelo alheio não me fascinava por aí além, já tinha experimentado com as barbies que, coitadinhas, de tanto acerto aqui e ali, ficaram todas com cabelinho à escovinha e mal aparado, dizia que queria ser secretária ou cantora de ópera. Tem tudo a ver e realmente cantar é coisa que me apraz muito. Já quem tem que me ouvir...
E afinal chego a adulta e fiquei com uma profissão que ninguém, sem serem os meus colegas, sabe o que é. Só porque tirei o curso de gestão, a minha mãe diz que sou gestora. O que está ao nível da cantora de opera.
Mas podia ser pior. Podia ser como a minha amiga, que é consultora dum programa informático de contabilidade e nem eu, que trabalho com o dito programa, faço ideia do que ela faz. "Mas programas?", N"ão, não, ajudo o cliente a saber o que é necessário pedir ao programador para fazer" (faz de conta que é este o discurso, que como não entendo, também tenho dificuldade em memorizar). A mãe dela também é um bocadinho como a minha. "então que faz a sua filha?", " errr... Um programa, qualquer coisa sapo, mas a outra é medica", "e que é isso, sapo?", "pois, é um programa, mas já lhe disse que a outra é médica?".
Hoje, fiquei com curiosidade em saber que dirá a mãe do rapaz que conheci e que trabalha para uma aplicação para jogar xadrez no ipad. Provavelmente, que o filho é nerd.

1 comentário:

Charmoso disse...

Eu queria ter sido palerma! E a verdade é que consegui mesmo ....