terça-feira, 1 de janeiro de 2013

O pedido de casamento

Entrei em 2013 a assistir, pela primeira vez, a um pedido de casamento alheio, num pub irlandês.
Já tinha reparado no casalinho em questão, que tinha passado o serão, encostado a uma cómoda vintage, aos melos.
O gajo pôs-se ao lado do DJ e agarrou no microfone e, ao melhor estilo filme de terror, tom de voz de gajo que liga, às tantas da manhã, para uma boazona qualquer, chamou-a "saraaaah, saraaaah". A gaja fez-se de parva, como se não soubesse o que vinha dali, quando até eu própria estava aos pulinhos e aos gritinhos "he is going to propose, he is going to propose!". Ela disse que não o conhecia. Fiquei comovida. O noivo, atirou-lhe com um "yes, you do fucking know me" e eu já não me aguentei. É bonito e o sonho de qualquer mulher, a utilização do verbo "fuck", antes da nossa cara-metade nos perguntar se queremos passar o resto da vida ao seu lado. Faz sentido. Metaforicamente e literalmente falando.
O gajo lá se pôs de joelhinhos, "will you merry me?" e ela baixou-se e espetou-lhe outro grande melo. Não houve nenhum discurso de "és o amor da minha vida e isto e aquilo", não houve um "sim" e, ultraje dos ultrajes, não houve anel.
Oh, meu amigo, nos dias em que prolifera o youtube, podias ter feito muito melhor. Fraquinho. Agarrar num microfone, num pub irlandês? Pffff, ainda ontem, no meu computador, vi um rato safar-se melhor que tu.
Mais um casalinho que entra para a estatística. Antes que me chamem mazinha, passo a explicar, um casamento bem sucedido também é estatística. Um numero bem menor, mas conta.

3 comentários:

redonda disse...

Acho que nunca assisti a um pedido de casamento alheio :)

clara disse...

Também nunca tinha visto. Nem alheio, nem pessoal. Já só falta um... ;)

Quase nos "entas" disse...

EHEHHE...
tambem nunca assisti a nenhum...
ás tantas nao sei se ria à gargalhada se chore...
eu cá tbm já fiz estatistica....no sim e no não ;)