sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Eu tenho uma amiga que

Todos temos uma história duma amiga que.
Pois eu, tenho uma amiga que, durante anos ficou presa à história que viveu com um ex-namorado. Aquele que durante anos comparou com todos, aquele que a fez mais feliz, aquele por quem foi mais apaixonada, aquele.
Os anos passavam e ela coitadinha tinha ficado traumatizada. Nunca iria conhecer alguém com opiniões tão bem formadas, ou tão giro, ou que lhe preparasse piqueniques românticos ou que não sei o quê que já nem me lembro.
Os anos passaram-se e as conversas mantinham-se "ai que tenho tantas saudades tuas", "ai que só tu é que me percebes", "ai ai ai, que ando a passear com a minha namorada, mas tu...", enfim, as mais variadas tangas de quem percebe que tem ali um inflamador de ego instantâneo.
Os anos passaram-se e mudaram de trabalho, conheceram novas pessoas, um teve um filho, o outro arranjou um cão.
Os anos passaram, mas a memória é uma cena lixada. Altera-se a seu bel prazer. Adapta-se às circunstâncias, ao novo mundo, às novas ideias. Como se tivesse que manter uma puta de uma imagem, que no fundo se alterou ao longo do tempo.
A minha amiga mudou de país e as mensagens, conversas e encontros fugazes mantiveram-se. E a puta da memória altera-se, só para manter esse q de especial.
A minha amiga conhece novas pessoas. Algumas pelas quais chega até a nutrir semelhante admiração. A minha amiga é toda medinhos e lixa a coisa ao entrar em paranóias. Mal por mal, esta memória torna-se mais fácil que criar outras.
Pois o tal ex-namorado resolve dar-se ao trabalho de ir vê-la ao novo país. Tem que vê-la. Como se, hoje em dia, marcar um avião numa low cost fosse grande coisa e nunca ele se tivesse dado a tamanho trabalho.
Passam o fim-de-semana juntos e, porra, a memória é uma coisa lixada.
O mundo girou, tudo mudou. Uns mudaram, outros continuam nesse mundinho dos 19 anos, em que auge era ir à Kapital a um sábado à noite.
As opiniões tão bem formadas que passam a soar a pedantismo de quem não viu mundo. O giro que afinal engordou, ganhou cabelos brancos e a Kapital ao sábado à noite, passou a ser o fim de semana sem o filho, na discoteca local. Ou o curso de cozinha, que o tornou num master chef, a julgar pelo tom. Ou a empresa do pai que o tornou extremamente importante, no meio de meia dúzia de pessoas, metade das quais consaguinárias.
A minha amiga, só em meia dúzia de meses, fez viagens, trabalhou com vários países, aperfeiçoou línguas, conheceu um BILF, um actor duma série de prime-time, uma cor-do-sol muita fixe, uma húngara que acha que é um gato, irlandeses de géneros vários, um manager que toma speeds, outro que foi DJ, viu sexo em plena discoteca, escreveu parte de um livro, viu uma mete-nojo-cor-de-rosinha (alguém se lembra?) partir o nariz dentro da sua própria casa, em pleno coma alcoólico, viu, leu, ouviu, aprendeu.
Escusado será dizer que passou o fim de semana a desejar que o mesmo acabasse, enfiasse o ex no avião e mandasse a puta da memória que a traiu para a puta que a pariu.
Mais vale tarde que nunca.

6 comentários:

L. disse...

Adorei este texto. Tem muita verdade aí pelo meio. A memória lixa-nos sempre. O meu ex acabou de entrar e sair daqui de casa com os meus amigos. Eu gostava tanto dele, da sua beleza, da sua graça, do seu à vontade e vivia presa a isso mesmo, que era apenas uma memória, pois ele já não era assim. Nós já nem éramos nada. E eu estava presa áquilo. Agora vi-o e nada. Já nem o acho tão giro.

clara disse...

:)

Anónimo disse...

Pois Clara, nao ha nada pior que ficar atada ao passado!! Mas tu estas quase a passar essa fase, o tempo cura tudo.

Fuschia disse...

A amiga eras tu? :P

Gostei muito do texto e é mesmo assim. Com o passar do tempo, só nos lembramos das coisas boas, o que é terrivelmente injusto para com as pessoas de carne e osso que estão à nossa volta, se calhar até disponiveis, se calhar até interessantes, mas para as quais só olhamos para os defeitos.

true story.

Cor do Sol disse...

Só perdeste dois dias da tua vida, agora aprende!lol

Anda-me ver, já tenho saudades :)

clara disse...

Tenho mesmo que te ir ver. Isto não tem andado fácil, entre constipações, dentes do siso, reacção estranha ao antibiotico e alguma rambóia drogheana, não tenho tido muito tempo.
Do próximo fim de semana não passa!