quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Isto de ser emigrante

Isto de ser emigrante, às vezes é giro.

Há novidades todas as semanas, um sitio novo para visitar, um pub diferente, novas pessoas, novas culturas. Fazem-se amigos, recebe-se mimos dos que já cá estavam, sempre estiveram, mas agora um pouco mais longe. Queixa-se do frio na rua aqui, do frio dentro de casa aí.

Aprende-se muito e ceu passa a ser limite.

Mas volta e meia bate a saudade. A saudade da casa que se deixou para trás, dos avós que se queixam que se sentem sós, da comidinha da papá (no meu caso é o meu pai que cozinha), da amiga que tem um namorado novo, da que vai casar, da que vai ter bebés, da que se separou, da que perdeu o emprego.

Dizem que vim pela qualidade de via, mas raisparta, qualidade de vida é falar a nossa lingua, ir à nossa praia, voltar ao café de todos os dias, não chorar quando o dentista nos diz que nos vai anestesiar até à quinta casa e vamos precisar de apoio. Ás vezes, qualidade de vida não é isto.

É só às vezes, é um amoque que me dá, mas hoje, apetecia-me voltar.

3 comentários:

redonda disse...

Já senti algo parecido quando estava em formação em Lisboa e a minha familia e amigos estavam no Porto, portanto, muito mais perto. Por isso vou só deixar um beijinho e esperar que amanhã seja um novo dia em que dê para sentir mais o que é positivo em estar aí.
Gábi

Anónimo disse...

Va lah, nao desanimes rapariga que daqui por uns dias passo ai pela Drogaddaaaa para me pagares um cafe!!

mimi disse...

Hoje está um tempo horrivel...deixa as saudades para um dia de sol.
Beijos

Mimi