segunda-feira, 1 de abril de 2013

Nem tudo é mau

De hoje em diante, sempre que alguém me disser que, em Portugal, nada funciona, vou contar esta história. Eu já sabia há muito que isso não era verdade e tentava dar exemplos, mas este parece-me mais flagrante.

O ano passado começou a nascer-me o dente do siso. Fui ao dentista que me recomendaram aqui, que me disse que o dito não esta numa boa direcção, mas que era melhor esperar para ver, antes de decidir arrancar.

Em Janeiro, deste ano, o dito começou-me a doer e lá voltei á dentista. Pois o dente nasceu na horizontal, em vez de nascer na vertical, o que significa que me rasga a bochecha e causa infecções. A dentista passa-me antibiótico e volta a dizer-me que talvez ainda mude de direcção, voltamos a esperar para ver.

O dito não me incomodou durante umas semanas e eu, na impossibilidade de ver o que por ali se passava, tive esperança que a tal direcção mudasse.

Volta a doer. Volto à dentista. Fico a saber que, na Irlanda, a maior parte dos dentistas não tem habilitações para uma extracção cirúrgica e que a coisa tem que se fazer por um cirurgião maxilo-não-sei-quê. Fico também a saber que custa 500 euros, se não houver complicações.

Liguei para o meu seguro de saúde para perceber se pagavam a coisa. Pagam, mas só se fores a um dos médicos com os quais têm acordo. Aliás, pagam parte, eu ainda teria que pagar 125 euros, se quiser fazer a coisa num hospital privado e não quiser esperar tipo 6 meses pela coisa. Depois de muitos telefonemas para o seguro, a secretária do médico e não sei quem mais, lá percebo que, para marcar a consulta, era necessário que o meu dentista mandasse o que eles chamam referência e que depois disso, ainda teria que ficar em lista de espera.

Volto ao dentista, trago nova receita para antibiótico e a garantia de que a tal referência estava a ser preparada para ser enviada no próprio dia.

Tive uma reacção ao antibiótico passados dois ou três dias. Uns dias de pausa e novo antibiótico.

As dores passaram e lá andei mais uns dias normal. Entretanto, começo a sentir um grande cansaço, as minhas colegas grávidas já a esfregarem as maozinhas, a achar que o meu terrível cansaço era igual ao delas. Lá me decidi a ir à enfermeira que temos lá no escritório. A gaja dá-me uns apertões na cabeça, no pescoço, no peito e eu vi estrelas. Tira-me a febre e descobre a causa do meu cansaço. Nova infecção causada pelo dente. É necessário novo antibiótico. Volto a ligar ao dentista e aproveito para perguntar como estava a história da referência, se achavam que ainda demoraria a ser chamada. Vão confirmar a data em que foi enviada e "ah! Peço muita desculpa, mas não foi enviada, houve um esquecimento". Puta que a pariu.

Pelo meio, tive todos os efeitos secundários de um antibiótico, inclusive uma infecção no pipi.

Hoje, tou aqui com a cara à banda, suscitando nos outros a dúvida se terei tido uma trombose ou estou só com uma paralisia facial.

Liguei para um dentista em Portugal. Segunda-feira lá estarei na sua cadeirinha, pronta para perder o siso de vez. Com todas as indicações necessárias para que me passe a dita paralisia facial até lá. O preço, esse, depende do que for necessário, mas oscilará entre os 50€ e os 120€.

E agora? Onde é que estamos mal?

 

1 comentário:

Karina sem acento disse...

Nós temos coisas que funcionam muito bem. Eu, pessoalmente, tenho vindo a Portugal para vir ao dentista e a outros especialistas que já os conheço bem, sei que são bons e prefiro gastar na viagem do que ir parar a mãos desconhecidas.

Mas, e digo isto não por conhecimento de causa mas porque já ouvi dizer, parece que os hospitais pelo menos em Dublin funcionam bem. Se é verdade ou não, não sei.