segunda-feira, 17 de junho de 2013

Fazer-se dificil

Tenho que confessar, ainda não percebi bem como é que é esta coisa de nos fazermos difíceis.

Uma amiga uma vez contou que tinha o namorado na mão. Que assim que ele se armava em esquisito, ela ligava e fazia o ultimato: "ou 'tás aqui em 10 minutos ou vou sair com as minhas amigas". E ele vinha logo. Oi? Mas ele não a deixava sair com as amigas? E era um gajo desses que ela queria?

Outra, contou-me que se o gajo lhe ligasse para saírem, dizia-lhe que não podia, só para ele achar que ela tinha vida social. Depois, passava a noite a ver a novela, comer gelado e a olhar para o telefone na esperança que o gajo ligasse. Nunca percebi se ela achava que ele ia implorar, só sei que vida temos todos. Uns mais atarefados, outros menos. Mas ficar em casa, quando se morre de saudades e até se teve convite, é coisa que eu não percebo. Expliquem-me? Isto resulta? E não dão em doidas?

Outra explicou-me, também, que quando o marido não lhe fazia as vontades, fazia greve de sexo. Epá, eu até percebo a greve de fome por uma causa maior, mas o castigo, afinal, é para mim ou para ele?

Finalmente, diz que se deve dizer não quando é sim, talvez quando é não e ainda descobri quando é mesmo não.Toda uma arte que eu claramente não domino.

Fica-me a questão, quando é que, finalmente, podemos fazer o que realmente queremos?

7 comentários:

Quel* disse...

Em relação à greve de sexo, tenho a mesma opinião que tu. No outro dia o namorado - ok, a partir de hojeé ex - deu me uma resposta que eu nao gostei muito e depois fiz-me de dificil, mas isso nao é para mim, que eu resisto pouco tempo :b

Ana disse...

O que me espanta mesmo é isso ainda funcionar com algumas pessoas, sejam homens ou mulheres. Eu falo por mim, que não tenho a mínima pachorra para andar a insistir com um homem que me diga não, nem vocação para andar a tentar adivinhar se ele, na realidade, queria dizer sim. Se for esse o caso, azar, tivesse dito o que realmente queria. Eu quando quero digo que quero e espero o mesmo dos outros.

E por causa desses jogos que muita gente faz, o pessoal habitua-se a não levar a sério um "não" dado com todas as letras, continua a insistir, a fazer interpretações erradas, e isso tira-me do sério.

L. disse...

SEMPRE! Que isso do dificil é mesmo uma parvoice...

Ana A. disse...

Quando deixamos de ser parvos e passamos a ser honestos.
Connosco e com os outros. Só assim teremos relações saudáveis e engrandecedoras (esta palavra existe? não tenho bem a certeza!) que nos permitam sempre sermos melhores pessoas.

Anónimo disse...

Assim eh que eu gosto, mulheres que gostam de sexo!!!

clara disse...

Anónimo, nao queria ser eu a dizer-te isto, mas este comentário nao abona muito a teu favor.
Deixa lá, tudo se aprende.

Anónimo disse...

Eu sei Clarinha, tava so a ver se tu te acusavas!!