quarta-feira, 19 de junho de 2013

Perdas e ganhos

Dizia-me uma muito recente amiga que não é possivel que nos aconteça uma coisa boa, sem que o mundo não nos caia aos pés. Pode ser. Porra, que às vezes é mesmo. Mas a verdade é que isto é ciclico.

Sendo curta e grossa, que é por isso que gosto tanto desta amiga, não tivesse eu fodido tudo a ser gaja-mais-gaja-não-há e não tinha escrito os últimos posts. E não tinha recebido mails de pessoal muito fixe, comentários, não teria duplicado as visitas a este canto, nem me teria visto citada e partilhada noutros blogues e facebooks. Nem tudo são perdas. E eu acredito mesmo nisso. Assim como acredito naquilo que disse a um amigo quando este me falou na sua perda ao ter visto a sua relação terminada. E os ganhos para trás? E os 3 anos que passou com essa pessoa?

Apesar de aparvalhar de vez em quando, acredito no que escrevi aqui sobre os medos. Se a malta já sabe que vai lá, para quê pôr-se com merdas? Até pode iniciar-se uma coisa gira, sendo que gira não tem que ser dentro dos parametros que nos ensinaram as nossas avós, quando nos contaram a história da carochinha. Convém é não ir com a força toda, nem a pés juntos como eu. Limitações minhas, que é que se há de fazer?

Seja como for, posso ser descrente em muita coisa, mas nisto acredito, nada é uma fatalidade. A bonança tarda, mas não falha. Bem depois da tempestade. E isto dito por alguém que vive na Irlanda.

 

2 comentários:

a_secretária disse...

eu vou lá, sempre. mesmo que me estropie toda. e estropio quase sempre. mas continuo a ir!you go girl!

Ana A. disse...

Eu não só vou, como também entro a pés juntos, pelos vistos!