segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Pára agora

Por mim, o tempo podia ter parado ali, naquele instante. Não sei precisar se foi um segundo, se meia hora. Sei que foi o tempo de um abraço, o nosso abraço, o beijo que não foi.

Recordo-nos como nos filmes, a preto e branco, o motorista do autocarro que nos esperava, dando-nos o tempo daquele abraço. A romântica que há em mim, imagina-nos como essas personagens que se despedem, à porta de um comboio, a minha perna levantada, qual heroína duma história de amor. Não me lembrei desse pormenor da perna. Será que o fiz?

Deixo que o meu tempo tenha parado ali, naquela memória, a preto e branco, a perna levantada, que já não importa se o foi ou não. Fecho os olhos e vejo-nos. Peço ao tempo que páre, peço-te a ti que não venhas, peço à memória que não me traia, peço que esta seja a última, peço este final, o feliz.

 

2 comentários:

SuperSónica disse...

Feliz Natal ;)

clara disse...

Obrigada e igualmente! :)