segunda-feira, 31 de março de 2014

No (des)amor e no trabalho


"Um dia, é que ele(s) vão ver, vão sentir a falta, vão lembrar-se que afinal eu é que era, sou insubstituível, bla bla bla pardais ao ninho", mas quando vamos, quando chegamos a esse patamar do "move on", a verdade, verdadinha, é que queremos lá saber. 

Sem comentários: