terça-feira, 12 de agosto de 2014

Giras que dói

Nos últimos meses, algumas das minhas amigas recomeçaram novas relacoes amorosas. Umas que vinham derelações  abusivas ou desastrosas, outras solteironas, ja há uns tempos, todas com histórias e desenvolvimentos diferentes, mas todas com dois factos em comum, as coisas estão a correr bem e ficaram (nalguns casos, ainda) mais giras. Juro.
Esta mudança estética fez-me tirar duas conclusões.
Em primeiro lugar, está provado que o sexo faz um bem à pele que é uma maravilha.
Em segundo lugar, a auto-estima é, dúvidas houvesse, uma arma poderosa. E é aqui que a porca torce o rabo. Contra mim falo, que tambem eu já vi, em vários campos da minha vida, tanto profissionais, como pessoais, a minha auto-estima quase se destruir, por causa de outros, assim como, também nos dois campos, já me deixaram a sentir que era a maior da minha rua. Sabendo que o ser humano é um bicho com capacidades que a razão desconhece, boas e/ou más, assusta-me esta influência capaz de se fazer notar de forma física. Em contraste com o poder da auto-estima, a necessidade de validação é lixada. E está cá. Mais presente nuns que noutros, mas anda por aqui e impacta, em grande escala, a nossa vida. E a nossa imagem.
 

4 comentários:

Ana A. disse...

Preciso de uma relação, está visto!

clara disse...

Tu e eu. Tu e eu.
Eu ate costumo emagrecer...

Adriana disse...

muito complicado tudo o que escreveste, até porque as relações podem fazer muito mal à auto-estima de uma pessoa, tudo depende de vários fatores.

clara disse...

É por isso mesmo que acho a minha conclusao assustadora. Neste caso, o impacto foi positivo. E nao fosse? Tambem seria visivel?